top of page

Primavera de Marta - Mensagem do dia 06.06.2022



Em qualquer lugar do mundo onde se erga uma maternidade, teremos aí a presença da esperança em forma de uma criança.


Parteiras ou aparadeiras ontem, obstetras e ginecologistas hoje, onde se encontram promovem com suas técnicas e seus esforços o surgimento da vida, fazendo com que as almas abandonem o claustro materno para a convivência com os habitantes do mundo.


Um filho, mesmo quando não planejado, é sempre uma bênção divina em nossas mãos. Surge aquele "toco" de gente e uma casa vazia parece ganhar vida nova.


Sua fragilidade inspira seus cuidadores a redobradas providências para sua segurança alimentar e física.


Tê-los nas mãos se nos afigura estar manuseando um tesouro que a Excelsa Paternidade nos confiou, a título precário.


E quando escoam os primeiros anos, onde a fala se firma, os indecisos pezinhos ganham segurança no piso da casa e no olhar brilha uma curiosidade incessante, algumas vezes os pais se quedam em silêncio, perguntando mentalmente quem é aquele ser que teve a capacidade de mudar duas vidas.


De que região do espaço procede?


Onde adquiriu aquelas habilidades que vão surpreendendo os genitores ao longo dos anos?


Enquanto alguns os imaginam páginas em branco, cuja educação doméstica vai preencher as linhas do caderno existencial, eles ofertam cotidianamente exemplos de que já carregam sólida bagagem, tanto no campo intelectual quanto moral.


Rejeitam situações vexatórias e sinalizam que são pacifistas. Outros, parecem se deliciar no sofrimento de animais domésticos e se tornam por estes temidos.

Alguns acusam fragilidades orgânicas desde cedo, não obstante a genética saudável dos genitores e passam a ser flores frágeis na estufa do lar. Outros, exibem desde tenra idade o vigor orgânico que os capacitam mais tarde a esportes radicais e serviços que exigem compleição física impecável.


Quantos assaltados por estranhos medos ou acusam a presença de "amigos imaginários", com quem convivem como se fosse um irmão ou irmã que a família não enxerga.


E as ocorrências se multiplicam ao infinito, mas onde surgem e são acolhidos com amor pela família, alteram o ambiente para melhor. Nosso instinto gregário impulsiona os sentimentos para ofertar a eles, os recém-chegados da vida espiritual, as melhores oportunidades e condições para que suas infâncias sejam felizes e venturosas.


No dia da criança, no Natal, nas datas natalícias, são elas objeto da atenção redobrada e alvo de brinquedos e festas.


São datas que deixam marcas de felicidade. O resto, é fotografia e lembranças...


Ele também foi criança um dia. Vestiu-se de carne numa gruta de calcário e veio ter conosco, sem ausentar-se de viver a fase infantil entre nós. Não obstante Governador Espiritual da Terra, fez-se pequeno e conviveu com outras crianças de sua terra natal.


Ambiente pobre O acolheu desde cedo. Uma mãe muito jovem, um pai já maduro e um mundo de carentes além das paredes do lar.


Onde e com quem esteve em seu curto messianato, inoculou esperança e bom ânimo. Procurado pelos pequeninos, assegurou ser deles o Reino dos Céus. E quem não se fizesse criança, não conquistaria acesso a esse lugar tão desejado.


Em Seu nome, cada final de ano, erguemos o dia de Natal.


Seu nascimento mudou o curso da história.


Alterou a rota de milhões de vidas.


Lançou diretrizes que permanecem desafiadoras.


Nunca mais O esquecemos.


Se recentemente um desses anjos foi anunciado aos teus ouvidos para daqui a nove meses, ou já se encontra materializado em teus braços, deixa-te conduzir pela emoção da paternidade ou maternidade.


Reflete em tua responsabilidade diante daquele olhar frágil que te fita do berço e parece suplicar, sem palavras articuladas:

- Oi, toma conta de mim!


Em teus braços, um empréstimo da Paternidade Divina.


Só Deus pode SER pai.


Nós, estamos.


E todo empréstimo tem tempo certo para prestação de contas.


Conforme teus investimentos, sacrifícios e renúncias, amanhã um homem ou mulher de bem.


Teu descaso e negligência, logo um equivocado a mais numa sociedade já neurótica.


Desdobra teu amor em prol de uma educação correta e acompanha com zelo esse botão florescer. Em uma primavera não muito distante, terás ao teu lado uma flor de rara beleza, espargindo perfume em derredor de teus passos.


Perceberás, de maneira inequívoca, que não viveste em vão.


Marta

Salvador, 06.06.2022

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page