top of page

Primavera de Marta - Mensagem do dia 12.07.2022



Em meio a uma colossal revolução industrial e tecnológica, econômica e comercial, o homem tem descoberto as vantagens das parcerias nas coisas do mundo. Grandes conglomerados surgem e se consolidam nesse ou naquele ramo do comércio, estendendo uma capilaridade mundial. Matérias primas, insumos e fabrico exigem crescente controle de qualidade e a mão de obra reclama qualificação, capacitação e aperfeiçoamento incessante, sob pena de defasagem e superação pela concorrência, cada dia mais agressiva. Mas a convivência em grupo foi e continua sendo um enorme desafio.


Esperar acolhimento das ideias que nos são próprias é exercício de utopia e se enxergar "patinho feio" pode ser reflexo de baixa auto-estima ou complexo de inferioridade. Cada pessoa tem seu valor próprio e carrega consigo um potencial que o grupo desconhece.


Já é cediço que o confronto não é uma atitude inteligente, quase sempre retratando arrogância e presunção, se buscando ter supremacia no coletivo.


Pessoas sem brilho tentam apagar a claridade dos que alumiam outras vidas. Se fazem críticos ferozes e desalmados de métodos e organogramas, mas são incapazes de ofertar sugestões para melhoria das relações interpessoais, salvo aquelas que lhe reflitam o ego em exaltação.


Verborrágicos, falam muito, fazem pouco.


Teóricos, afirmam saber com lucidez as etapas de maturação de um grupo, mas nele não se integram, optando por ficarem à margem, e com as mesmas mãos do abano agridem e sufocam as iniciativas de outros.


Em qualquer discussão, tentam gritar seus direitos, recusando cumprimento de deveres. E na tribo de muitos, fogem da condição de índios, ambicionando sempre a auréola do pajé ou o comando do cacique.


Jesus os teve por perto.


Na constituição nascente do Cristianismo, o colegiado apostólico era bem a matriz dos grupos dos tempos que estamos atravessando, com suas peculiaridades. Doze homens difíceis, pouca cultura e o foco na expulsão do romano invasor, permitindo triunfo de Israel.


Entretanto, a liderança do Divino Amigo era a diferença que inexistia naquele tempo e naquelas circunstâncias.


A pedagogia do Embaixador de Deus era centrada no amor ao próximo, serviço desinteressado e renúncia às ilusões do mundo, regido pela impermanência de tudo.


Quem ambicionasse ser o maior no Reino de Deus se fizesse servo de todos na Terra. Lavasse os pés dos companheiros de ideal. Aceitasse as imposições e críticas dos mais próximos.


Inexistindo patrimônios materiais, a liderança do grupo estava centrada na figura de Jesus, que a exercia por ser o mais moralizado de todos.


Sua pedagogia do afeto conquistava corações.


Seu otimismo contagiava.

Sua fé nutria os desalentados.


E mesmo tendo dividido a história, não fugiu dos rudes testemunhos. Um traiu, outro negou e o resto se ocultou na pusilanimidade.


Ele refez o grupo na edificação da Casa do Caminho, forneceu diretrizes para os 500 da Galiléia e sensibilizou Saulo para disseminação de Sua causa entre povos considerados gentis.


Qualquer migalha de boa vontade era aproveitada. A mais infantil ideia se erguia, altaneira e nobre, buscando atender as massas esfaimadas.


Se presentemente te vinculas a um grupo desse ou daquele quilate, cultiva a resiliência. Ouve muito e fala pouco. Escuta pontos de vista diferente dos teus sem azedume ou agressividade.


Desapega-te das cartilhas prontas e investe na musculatura saudável do grupo, te aproximando de cada membro sem servilismo barato e sem dureza irritante.


Se pensas, no grupo também tem outros pensantes. Se és criativo, igualmente outros possuem ideias luminosas sobre isto ou aquilo.


A dureza de coração tem ceifado muitos agrupamentos ainda no nascedouro. Outros, até caminham certo trecho da estrada, mas não resistem aos entrechoques de mentes raivosas, tóxicas e ácidas.


O grupo simplesmente derrete, desidrata.


Não te esqueças de que no auge dos grandes embates estéreis no grupo, mentes na erraticidade insuflam cizânia e hostilidades, abrindo campo para insinuação do joio em meio ao trigal de esperanças.


Nada de bom se edifica com tijolos de arrogância e cimento de autoritarismo.


São mausoléus cheios de sombras.


Sê tu uma lamparina em teu grupo de trabalho ou estudo.


Quando a luz faltar no discernimento deste ou daquele componente, oferta teu equilíbrio e restaura a harmonia prestes a ser vencida.


Quem cede, prossegue.


Que seria de nós se Deus se irritasse com nossas picuinhas de grupo?


Nem quero pensar!


Marta

Salvador, 12.07.2022

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page