top of page

Primavera de Marta - Mensagem do dia 31.10.2022



Será sempre nas fontes das próprias experiências que o Espírito beberá o doce néctar de suas conquistas ou experimentará o amargo elixir de seus fracassos.


Herdeiro direto de multifárias vivências, transitará do instinto para a razão e desta para a intuição, edificando a própria história com o cimento de seus atos.


Quando no estágio da consciência desperta opta livremente por ceder aos apetites inferiores, de momento frui a ilusória alegria de locupletar-se no campo dos desejos satisfeitos, tentando ignorar que o ato insano e a conduta equivocada alteraram rotas alheias, igualmente promovendo na própria marcha resultados indesejáveis. Ao colher os resultados da inquietação e da consciência de culpa, tenta evadir-se da compulsória correção, imposta por leis soberanas.


A consciência ultrajada exige corrigenda. A vítima se faz algoz impiedoso. Projetos acalentados sofrem atraso na sua execução. A dor e o sofrimento surgem por instrumentos de renovação e aprimoramento.


Sob o aguilhão da restauração indispensável, o autor do gesto ou da manobra infeliz se vê constrangido ao resgate da própria falta, iluminando-se a caminho das regiões felizes.


Em percebendo que a má semeadura enseja colheita de dificuldades, o inquilino do casulo orgânico vai despertando os centros psíquicos da vida moral, se ajustando à dinâmica do amor e da fraternidade.


Aprende que quem doa, multiplica.

Quem divide amor, agrega esperança aos tesouros íntimos.


Trabalho no bem atrai parceria preciosa.

Estudo dedicado dissipa a ignorância e liberta o ser dos vagidos da ilusão.


E igualmente o investimento das energias nas ações deletérias possui seus efeitos na esteira do tempo.


Embaraços na ascese. Consciência de culpa reclamando iluminação para dissolver a pequenez moral.


Aumento dos antagonistas ao progresso que lhe é próprio. Distanciamento de afetos e entes queridos, guindados a planos superiores, enquanto o calceta patina no lodaçal da incúria e da viciação de livre adesão.


A saudade dos amores o corrói por dentro. A falta de quietude nas províncias da consciência o aturde. As pelejas enfrentadas e os resultados pífios obtidos geram frustrações crescentes, desanimadoras.


Chega um instante dourado onde o ser dilui parte de sua cegueira espiritual, se permitindo enxergar a longa estrada percorrida e o quanto está à sua frente.


O passado clama por corrigenda.

O futuro acena com paz interior.

O pretérito exibe manchas, nódoas que são reflexos das ações ignóbeis. O amanhã instiga o ser ao investimento intenso no resgate, pacificando as labaredas que consomem o joio imprestável.


Espírito algum fugirá das próprias escolhas. Alma alguma atravessará os caminhos terrestres sem experimentar o efeito das próprias ações.


E quando as atitudes começam a refletir uma firme decisão de acertar, o pensamento deixa de ser egóico, a amorosidade começa a ser um princípio ético e comportamental, a ventura, como sopro de vitalidade e renovação, vai imprimindo nova paisagem nas almas exaustas de tanto errar.


Paixões se tornam emoções superiores.

Grilhões se desfazem, dando lugar a asas libertadoras.


O instinto altera-se, fixando no ser a prevalência dos sentimentos.


O outro deixa de ser usado, triturado, esmagado, tornando-se parceiro de caminhada comum.


O tirano se faz servo de todos.

Inegável reconhecer que quando a mensagem do Cristo se aninha, lúcida e bem compreendida, na intimidade do ser, nova criatura ela se torna.


Já não se compraz no mal.

Em todo lugar e circunstância, enxerga oportunidade de servir.


Adapta-se com facilidade a qualquer ambiente inóspito, saneando com esforço e boa vontade a atmosfera insalubre.


Serve sem a preocupação da retribuição de qualquer espécie.


Acolhe críticas como estímulo.

Recebe elogios sem matricular-se na escola da vaidade.


Se sabe ainda pequeno, mas não atira pedras nos gigantes. Reconhece as próprias limitações, mas prossegue alegre e cheio de bom ânimo na oficina do aperfeiçoamento sem fim.

Seu modelo e guia é Jesus.


Admira e respeita no mundo aqueles que estão lutando contra os arrastamentos perniciosos, mas não lhes tributa qualidades que estes não possuem nem elege tronos de fantasias para bajulação perniciosa.


Dá a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.


Torna-se um operário dedicado na construção da nova era, a começar de si mesmo.


E quando sob imposição da morte, abandona o cenário do mundo, simplesmente recolhe a ferramenta gasta na gleba sensível e retoma o caminho de casa, ofertando seus frutos ao Senhor da vinha.


Onde estiverem, serão sempre reconhecidos como discípulos D'Ele, por muito amarem.


Marta

Juazeiro, 31.10.2022

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page